“As ameaças do ministro da pasta, Paulo Guedes, de um novo AI-5 para os movimentos populares caso houvesse manifestações no País, só pioram a situação”, afirmou.

O líder da Minoria no Congresso, deputado Carlos Zarattini (PT-SP), criticou nesta quarta-feira (27), da tribuna, a política econômica do governo Bolsonaro que não consegue alavancar o crescimento e tem aprofundado o desemprego no Brasil. “E as ameaças do ministro da pasta, Paulo Guedes, de um novo AI-5 para os movimentos populares caso houvesse manifestações no País, só pioram a situação. O dólar aumentou”, afirmou.

Zarattini considera Paulo Guedes um ministro inábil. “O ministro da Economia é o mesmo gestor que fez a proposta de financiar o chamado Contrato Verde e Amarelo com recursos dos desempregados. Ele quer taxar os desempregados para financiar o Contrato Verde e Amarelo, que traz benefício efetivamente para o empresariado e é muito pouco benéfico para o trabalhador, que vai ter um Fundo de Garantia menor e uma série de outros direitos retirados”, denunciou.

O governo, segundo Zarattini, vive falando que reduziu os juros, que reduziu a inflação, “mas o fato efetivo é que o Brasil está parado, a economia não avança, o desemprego continua na faixa de mais de 12 milhões, isso sem citar a quantidade de trabalhadores subempregados e a quantidade de pessoas que estão no chamado desalento – que sequer procuram novos empregos”. E, tudo isso, tem levado à redução do consumo no País.

O líder da Minoria criticou ainda a notícia de que dobrou o consumo de ovos no País. “O Jornal Nacional de ontem resolveu comemorar o aumento do consumo de ovos, quando ele deveria, sim, lamentar a redução do consumo de carne no Brasil, pois o preço da carne é proibitivo para o trabalhador, que acaba buscando a proteína dos ovos para a sua alimentação”, protestou.

Programa emergencial

 

“Nós não podemos continuar desse jeito! É necessário que se adote um programa emergencial no País, um programa na direção contrária do que quer Paulo Guedes”, defendeu Zarattini. O deputado sugeriu que, ao contrário de diminuir R$ 8 no salário mínimo, como Guedes propôs ontem (26), é necessário que se dê aumento real para o salário mínimo, para que o povo brasileiro possa aumentar o consumo. “E com o aumento do consumo, gerar empregos no comércio, nos serviços, na indústria, que estão virtualmente parados. O governo não estimula a indústria, o Minha Casa, Minha Vida continua sem recursos”, lamentou.

Para o líder da Minoria, está na hora de este Congresso assumir, cada vez mais, a decisão de promover o desenvolvimento do País, debater e aprovar medidas que retomem o crescimento, o desenvolvimento e a geração de empregos. “O Brasil não aguenta mais viver nessa situação e o Congresso não pode se dar ao luxo de ter que enfrentar discussão sobre AI-5, discussão sobre questão de prisão em segunda instância, que são temas que não têm importância. Agora é hora de buscar a geração de emprego. É isso o que o Brasil quer”, concluiu.

Por PT na Câmara

Partido dos Trabalhadores

O Partido dos Trabalhadores surgiu como agente promotor de mudanças na vida de trabalhadores e trabalhadoras das cidades e dos campos, militantes de esquerda, intelectuais e artistas.

Foi oficializado partido político em 10 de fevereiro de 1980. O PT integra um dos maiores e mais importantes movimentos de esquerda da América Latina. Confira nossas redes sociais

 
 
 
 
 

Seja Companheiro!

Cadastre-se Online

Top