“O ano de 2019 está perdido para a economiabrasileira”. A curva descendente desenhada com a política de arrocho adotada pelo governo Michel Temer — que fez o Brasil encolher 5%, na comparação entre 2014 (governo Dilma) e 2018 — não vai ser revertida com o aprofundamento desse austericídio promovido pelo governo Bolsonaro.

“Bolsonaro abortou a possibilidade de recuperação da economia”, aponta Mercadante.

Aloizio Mercadante e o também professor de Economia Marcio Pochmann reuniram-se na última terça-feira (21) com as bancadas do PT na Câmara dos Deputados e no Senado para analisar a conjuntura econômica e avaliar propostas que contribuam para a saída da crise. O quadro que eles traçaram é angustiante.

Maior crescimento do desemprego

O Brasil de 2019 é muito diferente daquele que no biênio 2013/2014 era um dos países do mundo com a economia mais dinâmica. Naquele período, o crescimento médio anual do Produto Interno Bruto ficou em 3,2% e o aumento da renda média per capita esteve nos 4,2% ao ano.

Agora, aponta Marcio Pochmann, estamos diante da mais grave crise econômica já enfrentada pelo Brasil desde a década de 1880, com vertiginoso crescimento da pobreza. “De todas as crises vividas por nossa economia, esta é a que mais ampliou o desemprego”, ressalta o economista. É um retrocesso que demole conquistas recentes: “Estamos nos encaminhando para uma década perdida”.

Renda cai 8%

Ele ressalta, ainda, que pela primeira vez a economia brasileira demonstra tanta dificuldade para voltar a crescer após uma crise. Isso é resultado da aposta em um arrocho fiscal para debelar a crise. “Sem investimento, porém, a retomada fica inviável”.

Além de uma economia 5% menor do que a que tinha em 2014, o Brasil tem que lidar com uma renda média por habitante 8% menor do que a que registrava naquele ano. O nível de investimento regrediu aos níveis de 2006. O desemprego cresce, a remuneração cai e a qualidade do trabalho se deteriora, com contratos precários e subemprego.

Ideias velhas ressuscitam velhos problemas

Nem tudo é obra de Bolsonaro — em menos de cinco meses, nem mesmo ele conseguiria a proeza. Mas o cataclismo construído por Temer tende a se aprofundar no caminho que o atual ocupante do Planalto e seu ministro Paulo Guedes escolheram.

“Estamos sendo governados por ideias velhas que estão ressuscitando o passado e trazendo de volta problemas que tinham sido vencidos”, lamenta Pochmann.

Equívocos têm preço

Aloizio Mercadante projeta um segundo semestre ainda mais difícil para a economia, até porque a conjuntura econômica internacional também aponta para uma desaceleração.

Além disso, “os equívocos da política externa de Bolsonaro já estão cobrando seu preço”, com redução significativa das exportações para a China, Países Árabes e parceiros sul-americanos —todos hostilizados por Bolsonaro.

Por PT no Senado

Ler 410 vezes

Partido dos Trabalhadores

O Partido dos Trabalhadores surgiu como agente promotor de mudanças na vida de trabalhadores e trabalhadoras das cidades e dos campos, militantes de esquerda, intelectuais e artistas.

Foi oficializado partido político em 10 de fevereiro de 1980. O PT integra um dos maiores e mais importantes movimentos de esquerda da América Latina. Confira nossas redes sociais

 
 
 
 
 

Seja Companheiro!

Cadastre-se Online

Top