Os advogados de LulaCristiano Zanin Martins e José Roberto Batochio, defenderam que o Supremo Tribunal Federal (STF) reconheça a  imparcialidade do ex-juiz Sérgio Moro, nos julgamentos dos processos do ex-presidente. Os dois defensores foram à Curitiba, nesta terça-feira (11), após o Intercept Brasil revelar o esquema ilegal do atual ministro da Justiça de Jair Bolsonaro (PSL) e de procuradores da Lava Jato, entre eles Deltan Dallagnol.

Segundo Zanin, os fatos revelados pelo Intercept “reforçam que o ex-presidente não teve o direito a um julgamento imparcial e independente”. Ainda de acordo com o advogado, o esquema de Moro e Dallagnol será utilizado para “reforçar a nulidade do processo e a inocência de Lula”.

Após a reunião na sede da Superintendência da Polícia Federal, Batochio revelou que o ex-presidente ficou surpreso com o “elevadíssimo grau de promiscuidade entre quem julga e quem acusa”. De acordo com o  defensor, a conduta de Moro e dos procuradores violam gravemente o princípio constitucional da imparcialidade do juiz. Zanin, por sua vez, explicou que os fatos revelados pelo Intercept serão apresentados à Justiça por meio de novas petições, uma vez que, houve “absoluta falta de imparcialidade e equidistância das partes”.

“A acusação foi tratada de uma forma diferente da defesa. Há claramente uma coordenação do juiz da causa em relação ao trabalho da acusação e isso não é permitido, ao contrário, afronta a nossa Constituição e a legislação. O material que já foi divulgada reforça integralmente o que foi dito pela nossa defesa. O material divulgado é suficiente para revelar que o ex-juiz Sérgio Moro não atuou como julgador equidistante, mas sim como um coordenador da acusação e que depois proferiu um veredito em cima de uma acusação que ele próprio ajudou a construir”, apontou Zanin.

Habeas Corpus no STF

O ministro do STF Gilmar Mendes liberou, nesta segunda-feira (10), para julgamento um pedido de liberdade apresentado pelo ex-presidente. O pedido é um habeas corpus que aponta a suspeição do ex-juiz e atual ministro Sérgio Moro e questiona a atuação dele durante o processo no qual o ex-presidente foi condenado. O HC foi apresentado pela defesa de Lula no ano passado, quando Moro aceitou o convite de Bolsonaro. A expectativa é que o pedido seja analisado nesta terça (11) ou no dia 25 de junho, pela Segunda Turma do STF.

“Nós temos a expectativa que o STF julgue os habeas corpus já pendentes que veiculam matérias relevantes, inclusive, a falta de imparcialidade de Moro em relação ao ex-presidente Lula. São temas já apresentados ao Supremo que aguardam julgamento”, destacou Zanin.

Para Batochio, o conluio de Moro e Dallagnol é uma grave violação constitucional. “No nosso sistema, a Constituição estabelece condições para validar um processo judicial. Essas condições são chamadas de devido processo legal, que contém amplitude do direito de defesa, do contraditório e do juiz imparcial. Nenhum julgamento é válido, na esfera criminal, se o juiz não for imparcial. O STF é o guardião da CF. Nós estamos aguardando a palavra do Supremo, para saber se a Constituição está em vigor ou não. A palavra está com STF, que nunca falhou na defesa dela no nosso país”, enfatizou Batochio.

Da Redação da Agência PT de Notícias, com informações do G1

Ler 455 vezes

Partido dos Trabalhadores

O Partido dos Trabalhadores surgiu como agente promotor de mudanças na vida de trabalhadores e trabalhadoras das cidades e dos campos, militantes de esquerda, intelectuais e artistas.

Foi oficializado partido político em 10 de fevereiro de 1980. O PT integra um dos maiores e mais importantes movimentos de esquerda da América Latina. Confira nossas redes sociais

 
 
 
 
 

Seja Companheiro!

Cadastre-se Online

Top