O Partido dos Trabalhadores reafirma seu compromisso com o povo brasileiro por meio do Plano de Emprego e Renda que será lançado nesta quarta-feira (7). O programa tem nove diretrizes e capacidade de gerar 7 milhões de vagas de trabalho a curto e médio prazo, segundo explica a presidenta nacional do PT, deputada federal Gleisi HoffmannO lançamento da proposta ocorrerá em uma coletiva de imprensa às 16h30, em Brasília, que contará com as presenças das bancadas do PT e de Fernando Haddad.

A iniciativa é parte da proposta histórica do PT, junto á Fundação Perseu Abramo, de apontar caminhos para o país que, junto às bancadas petistas no Congresso, apresenta uma saída para a crise do país a partir da geração de emprego, renda e oportunidades para milhões de pessoas.

A presidenta contextualiza que, “enquanto o povo paga a conta da crise, o governo [de Jair Bolsonaro (PSL)] corta investimentos em educaçãosaúde e acaba com a aposentadoria. Tira dos mais pobres e entrega aos mais ricos”. Do outro lado, o PT acredita que a solução para a estagnação econômica em que o Brasil está afundada desde o golpe contra  Dilma Rousseff é o caminho inverso:

A solução é investir nos brasileiros e brasileiras. É fazer o dinheiro rodar na mão do povo, aumentar o consumo, expandir a produção, fazer a roda da economia girar de novo. Nunca acreditamos no ‘quanto pior melhor’. Fazemos oposição em defesa do povo brasileiro – ressalta Gleisi.

Relembre o legado do PT para economia

O plano é mais uma ação do Partido que, além de resolver um problema urgente, fica como legada para os trabalhadores brasileiros. A lista de iniciativas que o PT desenvolveu com esse objetivo é extensa e foi detalhada em no documento “Um Legado para o Futuro: Governos do PT” publicado pela Fundação Perseu Abramo no ano passado. Veja ponto a ponto o legado do Partido dos Trabalhadores na área econômica e social.

Emprego

Em 12 anos, os governos do PT geraram mais de 23 milhões de empregos formais. Como resultado disso, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) registrou, em 2014, a menor taxa de desemprego da série histórica de pesquisa mensal. Naquele ano, o percentual de pessoas procurando trabalho era de apenas 4,8%. Hoje, o indicador é de 12%.

Formalização do trabalho

Enquanto esteve na Presidência da República, o Partido dos Trabalhadores também aumentou a formalização do trabalho. Entre 2003 e 2014, o percentual de formalização saltou de 45,7% para 57,7%.

Salário mínimo

Quando Luiz Inácio Lula da Silva assumiu a Presidência em 2003, o salário mínimo estava na casa dos R$ 200. Com a política de valorização dos vencimentos, esse piso foi para R$ 510 em 2010, quando encerrou seu segundo mandato – um aumento de 155% considerando o valor inicial ou 53,6% se descontada a inflação. Já com sua sucessora Dilma, o valor chegou a R$ 880. Essa política de valorização foi destruída pelo governo de Jair Bolsonaro (PSL), que acabou com os ganhos reais dos trabalhadores.

Aumento do PIB

O Produto Interno Bruto (PIB) per capita brasileiro cresceu apenas 6% entre 1980 e 2003, uma taxa de 0,02% por ano. O indicador corresponde a soma de todas as riquezas produzidas pelo país dividida pelo número de habitantes. Entre 2004 e 2013, com os governos  Lula Dilma, o PIB per capita teve um aumento de 30% equivalente a 2,6% ao ano.

Redução da pobreza

Todos esses indicadores econômicos resultaram na queda da extrema pobreza no Brasil. Durante os governos petistas, 36 milhões de famílias brasileiras saíram dessa situação – segundo a definição do Banco Mundial, extremamente pobres são aqueles que vivem com menos de US$ 1,90 por dia o equivalente a R$ 7,52.

Mapa da fome

Como resultado das políticas sociais criadas por Lula e continuadas por Dilma, o Brasil saiu do mapa da fome em 2014 porque em 12 anos, o número de pessoas subalimentadas caiu 82%. O indicador desenvolvido pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação mapeia desde 1990 os países onde mais de 5% da população não consegue ingerir a quantidade recomendada de calorias por dia.

Fundo Soberano do Brasil

Fundo Soberano do Brasil (FSB) foi criado por Lula em 2008 para servir como uma espécie de poupança para o país em momentos de crises externas e ajudar a regular o valor do Real. O Fundo chegou a ter R$ 26 bilhões em ativos, mas foi esvaziado por Michel Temer que chegou a assinar uma Medida Provisória para extinguir a reserva.

Da Redação da Agência PT de Notícias com informações da Fundação Perseu Abramo.

 

 

 

Ler 106 vezes

Partido dos Trabalhadores

O Partido dos Trabalhadores surgiu como agente promotor de mudanças na vida de trabalhadores e trabalhadoras das cidades e dos campos, militantes de esquerda, intelectuais e artistas.

Foi oficializado partido político em 10 de fevereiro de 1980. O PT integra um dos maiores e mais importantes movimentos de esquerda da América Latina. Confira nossas redes sociais

 
 
 
 
 

Seja Companheiro!

Cadastre-se Online

Top