Como foi a sua trajetória na política ate aqui?

Bom, eu comecei a minha militância no fim do Ensino Médio, quando conheci o movimento feminista na escola e assim eu e algumas amigas do bairro e região nos juntávamos pra discutir todo fim de semana algumas demandas para as mulheres de nossa região. Depois de formada, retornei a minha escola para ocupá-la e ali comecei a conhecer diversas pessoas do PT que estavam nos ajudando nesse processo. No ano de 2015 entrei na PUC-SP pelo ProUni e comecei a militar no movimento estudantil universitário, com uma militância em defesa dos estudantes bolsistas e pelas melhorias de nossa permanência, fui eleita presidenta do Centro Acadêmico de Relações Internacionais no ano de 2017 e no mesmo ano me tornei secretária-geral da UEE-SP (União Estadual dos Estudantes). E nesse ano de 2019 fui eleita para ocupar a Diretoria LGBT da UNE (União Nacional dos Estudantes). Me filiei no PT no ano de 2016, e também esse ano, fui eleita Presidenta do Diretório Zonal de Santana, no último PED.

 

Como é ser a mulher mais jovem da capital a ocupar o cargo de presidenta do PT?

Mais do que a responsabilidade que eu carrego por representar tantas outras mulheres jovens, muito me felicita o compromisso do PT em renovar seus quadros e apontar para o futuro que nós queremos com jovens e mulheres ocupando os espaços de poder.

 

Qual a sua expectativa na direção do diretório zonal de Santana?

Iniciei minha militância junto com algumas amigas pensando a vida das mulheres na nossa região e desde então nunca abandonei a construção da Zona Norte como central em minha vida e militância. Nossa região carece de muita política pública, e todas as que efetivamente mudaram a vida das pessoas foram construídas pelos governos petistas, e essa marca precisa estar esclarecida para a população. Nesse último mandato acompanhei uma movimentação muito importante que era realizada semanalmente no Terminal de Santana em defesa da liberdade do Presidente Lula e esse diálogo com a população precisa ser tarefa central da nossa militância. Para, além disso, precisamos mostrar ao povo, aos jovens, aos estudantes, aos e as trabalhadoras, as negras e negros, as mulheres, a população LGBT, que a construção do PT é uma responsabilidade coletiva e que se filiar nesse momento é fundamental, então as expectativas são altíssimas em conseguir ampliar também a construção do nosso partido na região.

 

Como a sua experiência na juventude contribui para a maior aproximação de jovens na política?

O jovem de hoje não se vê na maioria das vezes representado por aqueles que estão no poder e buscam alternativas aos problemas que encontram. Mostrar que existem jovens como eu construindo o dia-a-dia do PT e da política, faz com que outros tantos jovens se identifiquem e se disponham a construir conosco o nosso partido. Os jovens são muito sonhadores, e aqui estou falando de mim mesma também, e quanto mais jovens se encontram para sonhar juntos, mais avançamos construindo os caminhos necessários para alcançar aquilo que almejamos.

 

Qual a importância da diversidade e da inclusão dentro do PT?

Acho que aqui não se trata de importância, e sim de responsabilidade. Nós somos um partido de massas, dos trabalhadores e das trabalhadoras, portanto, precisamos ter pessoas diversas para representar o partido que nós queremos, e também a sociedade que nós buscamos construir, que é plural, com diversas perspectivas e ideias e que está se transformando todo dia.

 

Qual o caminho que a juventude tem que tomar com o PSDB comandando da cidade e do estado?

O PSDB nunca priorizou a juventude, nos últimos 20 anos de governos tucanos o que nós vemos é um massacre da população negra e especialmente jovem, além de políticas públicas que ferem especialmente a vida do jovem como a redução do passe livre estudantil ou ainda a falta de políticas que pensem lazer, cultura, esporte e emprego para os jovens no município e estado. Com esses desafios que estão colocados pelos governos do PSDB, nós da juventude precisamos organizar nos nossos bairros as alternativas necessárias para enfrentar esse governo apontando seus erros e construindo as nossas alternativas a partir da perspectiva de cidade que nós já temos.

Ler 1040 vezes

Partido dos Trabalhadores

O Partido dos Trabalhadores surgiu como agente promotor de mudanças na vida de trabalhadores e trabalhadoras das cidades e dos campos, militantes de esquerda, intelectuais e artistas.

Foi oficializado partido político em 10 de fevereiro de 1980. O PT integra um dos maiores e mais importantes movimentos de esquerda da América Latina. Confira nossas redes sociais

 
 
 
 
 

Seja Companheiro!

Cadastre-se Online

Top